Em Portugal, será esta a mama que tem que acabar?

República Portuguesa

O drama do país é um punhado de enfermeiras que, alegadamente, fingem dar de mamar ao seu bebé ou os inúmeros políticos que no seio da nossa democracia, alegadamente, mamam à descarada nos seios da república?


Esta questão não suscita dúvidas a ninguém, mas por instantes vamos tentar olhar para ela de forma politicamente correta.

Para arrancar a verdade vale tudo? Até mandar arrancar o leite do seio de uma mãe?

Mas senão vejamos…

Se a enfermeira ao espremer o seu seio verter leite, será que realmente é isso que nos dá o direito, de lhe dar o direito a passar mais uns momentos de felicidade com o seu filho?

Se por outro lado ele não pingar nem uma gota? Esse insignificante detalhe dá-nos o direito de espremermos a essa mãe o direito de amamentar o seu bebé, com o calor do seio materno, por mais uns meses?

Afinal não somos a república das bananas. Somos a república dos mamões, onde uma mãe para passar umas míseras duas horas por dia com o seu bebé tem de andar para ai a espremer as tetas para qualquer um…

E o respeito pela dignidade dos cidadãos onde fica na equação? E a aposta na natalidade é só paleio em vésperas de eleições?

Por este andar falta pouco para nos sugarem o sangue…

1 contra-alegação:

  1. Eis o que me parece:Se numa padaria de Aljubarrota (por ex)trabalharem 4 padeiras,todas a amamentar e dispensadas para o efeito,havera que contratar uma outra que não amamente ou um homem.Será obvio o aumento dos custos de produção que podem implicar o aumento do p.v.p.do pão. Mas,terá que haver outra solução,pois não é correto partir do principio que as mães trabalhadoras não tenham "mamas produtivas"e muito menos comprovar o facto "ordenhando".Chamem outro nome à coisa.Para evitar polemicas e este tipo de "medidas".Em vez de dispensa para amamentar,chamem-lhe qualquer coisa como apoio à infancia que pode incluir alimentação,eventualmente com utilização de biberão,
    Discordo por considerar exagero o contido no ultimo paragrafo.Sangue não,mas,pode chegar o dia em que nos feriados que restam,para obter dispensa do trabalho, havera que provar que assistem às cerimonias e eventos respetivos nos religiosos e nos de carater politico/sociais havera que participar ativamente nos eventos relacionados com a data.Ou seja,se não vais á "manife" do 1ºMaio,vais mas é trabalhar.

    ResponderEliminar

Instagram